O que é?

 

A diastase abdominal é um problema bastante comum entre as mulheres, principalmente após o parto ou obesidade, ocorrendo a deformação do abdome pelo  afastamento dos músculos reto abdominais, sendo causa de flacidez abdominal e dor lombar no período após o parto.

A musculatura abdominal fica enfraquecida e esticada devido ao crescimento da barriga na gravidez ou pela rápida perda de peso, podendo também acontecer fora da gravidez, em paciente ex-obesos, no abdome pós bariátrica, por exemplo.

Entre os fatores causadores da diastase, temos: múltiplas gestações, bebê muito grande, desnutrição, sedentarismo, hormônios que levam ao relaxamento da musculatura e ganho de peso excessivo  na gestação. Após a diástase, por mais que a pessoa realize exercício físicos e dieta, o abdomen pode não retornar o que era antes, devido a separação dos músculos abdominais.

 

O músculo reto do abdome é formado por duas bandas verticais que se encontrar unidas na linha média, na região central abdominal,  atuando como se fosse uma cinta interna. A gestação provoca o alongamento dos músculos abdominais, podendo causar a separação das duas bandas musculares deixando a barriga mais protuberante, sendo percebida após o parto. Ocorre a deformação estética do abdômen com o surgimento de uma protuberância vertical no meio da musculatura quando há esforço físico (sentar, levantar, tossir, etc.). Além disso, pode provocar, dores nas costas, nádegas e pernas.

 

Como prevenir?

 

É possível prevenir a diástase abdominal com a prática regular de atividade física durante a gravidez. É importante que as futuras mamães mantenham uma postura correta durante a gestação e optem por exercícios que fortaleçam a parede abdominal, como o Pilates. Além disso, deve-se evitar o ganho de peso excessivo, mantendo uma dieta equilibrada.

Mulheres que já tiveram diástase, possuem chances maiores de desenvolver o problema em gestações futuras. Desta forma, a recomendação é esperar dois anos após a ocorrência da diástase para poder engravidar novamente.

 

Como fazer o diagnóstico e como tratar?

 

O diagnóstico da diástase é realizado pelo cirurgião plastico através do exame físico do paciente ou com a realização de exames como ultrassonografia de parede abdominal, que irá mensurar o quanto de abertura a musculatura possui.

 

O tratamento vai depender da complexidade do problema. Em casos leves, o tratamento consiste em uma combinação de exercícios de fortalecimento abdominal ( musculação, pilates). Em casos mais avançados, tratamento cirúrgico com cirurgia plástica com a amarração da musculatura abdominal, realizada através da cirurgia abdominoplastia.

 

A cirurgia plástica na barriga é indicada para os casos crônicos da diástase abdominal, em que é feita a reaproximação dos músculos por meio de sua amarração.

No caso da gestantes, deve-se aguardar de 6 meses a 1 ano do parto. No casos das pacientes pós bariátrica, deve-se aguardar 1 ano da cirurgia com pelo menos 2 meses de estabilização do peso. Dependendo da avaliação de cada caso, pode-se associar lipoaspiração e a dermolipectomia abdominal,  para eliminação do excesso de pele, da flacidez e das estrias da região abdominal. Com a associação destas cirurgias plasticas, é realizada a remodelação de todo o abdômen, redefinindo cintura e deixando a silhueta mais firme.

 

Quanto custa uma abdominoplastia?

O preço de qualquer cirurgia plástica é individualizado para cada paciente e vai depender da avaliação prévia em uma consulta.

 

Procure um cirurgião plástico membro da sociedade brasileira de cirurgia plástica.

http://www2.cirurgiaplastica.org.br