A mamoplastia de aumento no plano subfascial tem conquistado cada vez mais espaço, sendo mais uma opção além da prótese subglandular ( atrás da glândula mamária) e da submuscular(atrás do músculo peitoral maior).  Para facilitar a explicação, é importante saber que o musculo peitoral maior é revestido por uma fina camada chamada fascial, semelhante a uma membrana. Por cima dessa membrana, está o tecido glandular da mama, responsável pela produção de leite e pela amamentação. No plano subfascial, a prótese de silicone é posicionada por cima do músculo e abaixo da fáscia peitoral, fazendo com que o plano subfascial seja “um meio termo” entre o plano subglandular e submuscular. 

Dessa forma, esta técnica cirúrgica associa as vantagens das outras duas técnicas de implante de silicone nas mamas.

Uma destas vantagens seria uma maior cobertura da prótese de mama, maior do que na mamoplastia de aumento atrás da glândula,  possibilitando um contorno suave e natural , diminuindo a chance de irregularidades e bordos do implante proeminentes, principalmente nas pacientes magras, reduzindo as chances de rippling. Outra vantagem, seria um pós
operatório menos doloroso e mais tranquilo, quando comparado com a técnica submuscular. A dor mais leve e o período de recuperação menor são semelhantes ao da técnica subglandular. A membrana fascial serve como sustentação sem interferir no contorno, deixando a aparência da prótese de silicone natural, mas evidente. Uma outra vantagem que ainda está em discussão,  seria um resultado mais duradouro, pois a queda das mamas com o tempo demoraria mais para acontecer, devido à sustentação que a fáscia oferece.


Quando a prótese é colocada subfascial, não há chance de deformidade do implante durante contração muscular , que pode ocorrer na mamoplastia submuscular. 
Na consulta de avaliação pré-operatória, durante o exame físico , alguns fatores serão analisados para decidir qual será o plano de colocação mais indicado para você.