A cirurgia para correção de cicatriz serve para melhorar a aparência das marcas em qualquer parte do corpo. Ela tende a minimizar a cicatriz para que esta fique mais uniforme e compatível com o tom de pele do paciente. As cicatrizes podem ser fruto de uma ferida mal cicatrizada após uma lesão ou cirurgia. Elas podem ser classificadas por:

– Irregularidades na superfície: não causam desconforto físico e são decorrentes de ferimentos leves.

– Hipertróficas: altas, vermelhas, causam desconforto e podem crescer com o passar do tempo.

– Queloides: maiores que as hipertróficas, são cicatrizes dolorosas e que se estendem além das bordas da ferida inicial.

– Contraturas: restringem o movimento do paciente devido à junção da pele e do tecido durante a cicatrização.

Durante a cirurgia

É papel do cirurgião plástico definir qual será a melhor técnica que deve ser usada durante a cirurgia para correção de cicatriz. Entre as mais usadas estão tratamentos tópicos, injetáveis ou de superfície, dermoabrasão, laser, soluções de peeling químico e agentes clareadores de pele.

Além disso, substitutos farmacêuticos de tecido podem ser usados se houver falta de tecido saudável para fechar a excisão da cicatriz. Esse procedimento geralmente é realizado em casos de correção de cicatrizes de queimaduras graves.

Apesar da reparação da cicatriz depender em parte do cirurgião e da técnica utilizada, as características genéticas do paciente e os cuidados no pós operatório, como por exemplo repouso e alimentação, irão influenciar no resultado final.

Como é a recuperação

É normal que a fase de recuperação apresente inchaço, desconforto e descoloração da pele. Para casos de dermoabrasão, peeling ou laser, também pode haver sensibilidade. Os resultados finais da cirurgia para correção de cicatriz costumam aparecer alguns meses após a operação.