O melasma é caracterizado por manchas escuras que aparecem na pele, geralmente na região do rosto, braços, pescoço e colo. Apesar de não possuir uma causa específica, seu surgimento pode estar associado à exposição solar, uso de anticoncepcionais, gravidez ou genética e aparece com mais frequência em mulheres do que nos homens.

As manchas geralmente têm formatos irregulares, mas bem definidos e simétricos, e merecem cuidado durante o tratamento, pois pequenos deslizes podem causar a piora do quadro.

Diagnóstico e tratamentos

O diagnóstico do melasma é feito pelo dermatologista e, seja qual for o tratamento indicado para o caso, um fator é essencial para o resultado é a proteção diária contra o sol. O uso de protetor solar é indispensável! Outros tratamentos podem incluir:

– Cremes: nem sempre são eficazes para todos os pacientes. Os mais usados são à base de hidroquinona, ácido glicólico, ácido retinóico e ácido azeláico.

– Laser: ajuda a clarear o melasma e pode manter as manchas sob controle. Porém, sem os cuidados e indicações corretas, pode piorar a pigmentação.

– Fotoproteção: basicamente consiste na aplicação de um filtro solar mais potente, com proteção UVA e UVB e contra luz visível .

– Peelings: existem diversos tipos. Caso esta seja a opção de tratamento, o ideal é conversar com um dermatologista.

– Microagulhamento: este procedimento consiste em provocar microperfurações na pele até a profundidade correta, podendo associar ou não aos agentes clareadores.

Vale lembrar que os tratamentos para melasma não devem ser interrompidos até que a condição do paciente esteja estabilizada.

Como prevenir

Apesar de ter tratamento, a melhor forma de combater o melasma ainda é a prevenção. Por isso, mesmo se o dia estiver nublado, não deixe de passar o protetor solar. Além disso, sempre que possível, use chapéus, bonés, óculos escuro e guarda sol.