Se você possui seios assimétricos, saiba que não está sozinha. A maioria das mulheres apresenta assimetria nas mamas, mesmo que em graus praticamente imperceptíveis. É uma característica extremamente comum e não deve implicar em motivo para alarde ou preocupação sob o ponto de vista estético.

Ouça este conteúdo:

 

Nosso corpo tende a ser naturalmente assimétrico, não somente nos seios, e, de certa maneira, essa assimetria pode ser até bem-vinda. No entanto, se ela causa incômodo, é importante procurar ajuda profissional para encontrar um caminho para resolver seu caso, visando sempre a busca por sua autoestima, confiança e qualidade de vida.

O que pode causar assimetria mamária?

Os seios assimétricos podem ocorrer por motivos que vão desde fatores genéticos até doenças graves, como o câncer de mama. Conheça melhor as principais causas:

Anatomia natural

Por questões genéticas e hereditárias, os seios podem apresentar assimetria após se desenvolverem completamente. Assim como outras características físicas, o tamanho e a composição dos seios podem ser herdados de sua mãe e avós. Essa é uma das causas mais comuns!

Mudanças hormonais na adolescência

Durante a adolescência, nosso corpo passa por grandes alterações hormonais que são responsáveis, dentre outras mudanças, pelo crescimento dos seios. Devido aos hormônios, esse crescimento nem sempre acontece de maneira igual para os dois seios, o que pode resultar em assimetria mamária.

Mudanças no peso

Eventualmente, o ganho ou perda de peso não ocorre da mesma maneira nos dois lados do corpo. Como os seios são constituídos em parte  por gordura, a mudança no peso corporal pode fazer com que a gordura não seja distribuída de maneira uniforme nos dois seios.

Mamas tuberosas

Considerada uma deformidade congênita, as mamas tuberosas aparecem durante a puberdade. Trata-se do subdesenvolvimento do tecido mamário que pode levar as  mamas a terem um aspecto tubular. A condição pode ser mais acentuada em uma das mamas, resultando na assimetria mamária.

Amamentação

Durante o período de amamentação, muitas mulheres notam que os seios ficam com aparência alterada. Isso ocorre porque, ao sugar o leite, o bebê acaba alterando a forma e a consistência dos seios. Como a amamentação não é realizada de forma exatamente igual nos dois seios, é possível que um diminua mais do que o outro.

Nódulos mamários

Geralmente benignos, os nódulos são pequenos caroços que aparecem devido às alterações hormonais e crescimento dos seios. Os nódulos também podem se apresentar na forma de cistos, um problema que pode atingir mulheres de todas as idades e necessita de investigação e acompanhamento médico.

Câncer de mama X Seios assimétricos: qual a relação?

O câncer de mama provoca sintomas que vão de mudança na cor e na textura da pele ao aparecimento de caroço nos seios podendo ser uma possível causa de assimetria mamária.

Por isso, é muito importante olhar para além da questão estética. O ideal é que as mulheres realizem o exame de mamografia anualmente e façam o acompanhamento rotineiro com o ginecologista para diagnosticar um possível câncer nos estágios iniciais.

Quais são os tipos de assimetrias?

A assimetria nos seios não ocorre somente pela diferença de tamanho entre eles. O termo “assimetria mamária” é utilizado para denotar uma diferença no aspecto dos seios das mulheres que se apresentam sob diversas formas, como:

  • formato;
  • posição das aréolas;
  • inserção no tórax;
  • prolongamento lateral e
  • peso.

Afinal, como corrigir os seios assimétricos?

A correção dos seios assimétricos é recomendada para mulheres que sentem incômodo com a assimetria. A correção pode ser realizada por meio da cirurgia plástica. 

Não existe uma única cirurgia indicada para todos os casos, uma vez que é necessário realizar uma abordagem individualizada para entender as necessidades e anseios de cada paciente. Conheça os procedimentos que podem ser realizados: 

Implante de silicone

A prótese de silicone é um dos métodos mais comuns para minimizar a assimetria mamária. Nesse caso, o procedimento é indicado para as pacientes que desejam aumentar ambas as mamas, podendo utilizar próteses de tamanhos diferentes em cada mama.

Mamoplastia redutora

O contrário também pode acontecer: pacientes que possuem um seio maior que o outro podem ter o desejo de diminuir o seio maior e deixá-lo do tamanho do seio menor. Para isso, a mamoplastia redutora é o procedimento mais indicado. A cirurgia remove o excesso de gordura, tecido glandular e pele, diminuindo o tamanho do seio.

Mastopexia

Para resolver casos de assimetria de formato ou aréola, a mastopexia é o procedimento mais recomendado. A cirurgia é realizada com o objetivo de reposicionar a aréola e o tecido mamário, além de remover o excesso de pele e comprimir o tecido para dar um novo formato aos seios, buscando promover a projeção e sustentação das mamas. Pode ser realizada com ou sem prótese de silicone.

A importância da consulta médica individualizada

A correção de seios assimétricos é um procedimento considerado bastante delicado. É importante ter em mente que não é possível deixar os dois seios milimetricamente iguais. Cabe ao cirurgião fazer um estudo aprofundado para verificar as correções ideais para que as mamas fiquem o mais parecidas possível.

Além disso, toda cirurgia plástica deixa cicatrizes e elas precisam ser levadas em consideração antes de realizar o procedimento. Somente por meio da consulta médica com um profissional experiente e que ofereça atendimento humanizado é possível alinhar as expectativas para chegar a um resultado harmônico e proporcional.

Quer saber mais? Agende uma consulta com nossos especialistas em cirurgia plástica para realizar uma avaliação completa no Rio de Janeiro!