Alguns tratamentos cirúrgicos podem levar à necessidade, caso seja desejo do paciente, de fazer uma cirurgia plástica reparadora. É o que ocorre com a maioria dos que se submetem à cirurgia bariátrica, por exemplo. Realizar o procedimento reparador costuma ser o ápice da jornada de transformação dessas pessoas que, após resolverem seus problemas de saúde, desejam ter a autoestima renovada.

Neste artigo, mostramos em quais situações as cirurgias restauradoras são indicadas. Confira!

O que é uma cirurgia plástica reparadora?

Segundo a Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica (SBCP), 40% das intervenções realizadas no país têm caráter reparador. Esse tipo de procedimento visa corrigir deformidades congênitas ou adquiridas. Seu objetivo é recuperar ou aprimorar as funções corporais, assim como deixar a aparência o mais próximo possível do normal.

A cirurgia plástica reparadora costuma ser feita em pacientes que eliminaram muito peso, assim como em quem passou por tratamentos mutiladores. Os procedimentos combinam diferentes técnicas, sempre de acordo com os desejos e necessidades individuais, e seus resultados podem ser vistos relativamente rápido.

Como funciona a cirurgia reparadora pós-bariátrica?

A cirurgia bariátrica (também chamada de cirurgia de redução de estômago) proporciona uma rápida perda de peso. Mas com isso, o corpo fica com um excesso de pele, o qual é eliminado cirurgicamente.

Geralmente, a cirurgia reparadora combina a abdominoplastia e a mamoplastia, sendo feita entre 3 e 6 meses após a estabilização do peso (o que é definido pelo médico). Isso, por sua vez, se dá entre 12 e 18 meses após a realização da bariátrica.

Abdominoplastia reparadora pós-bariátrica

A abdominoplastia é a cirurgia mais realizada após a bariátrica. Ela permite costurar os músculos afastados, fazer a ressecção do excesso de pele e gordura e reposicionar o umbigo.

Em pacientes que tiveram uma grande perda de peso, muitas vezes o cirurgião opta pela abdominoplastia circunferencial, com a cicatriz em 360º (no contorno inferior do abdômen). Já em casos de muita sobra de pele acima do umbigo, pode-se realizar a abdominoplastia em âncora, com a cicatriz sobre o abdômen (lembrando um “T” invertido).

Mamoplastia reparadora pós-bariátrica

A mamoplastia redutora é bastante comum após a cirurgia pós-bariátrica. Isso porque, é preciso reduzir o tamanho das mamas para corrigir a queda e a flacidez. Para isso, o cirurgião remove o excesso de pele, gordura e tecido glandular, bem como pode reposicionar os mamilos.

Desvantagens da cirurgia plástica reparadora pós-bariátrica

A pele de quem emagreceu após a cirurgia bariátrica tem menos elasticidade. Por isso, a aparência da pele após a cirurgia reparadora não será a mesma de antes. Além disso, é normal ficar com cicatrizes, cuja maior ou menor visibilidade varia em função das características individuais, do tipo de cirurgia reparadora e dos cuidados pós-operatório.

Como funciona a cirurgia reparadora após emagrecimento intenso?

Há casos de pacientes que conseguem emagrecer muito sem intervenções cirúrgicas, mas precisam delas para remover o excesso de pele e definir o contorno corporal. Na maioria das vezes, isso requer uma abdominoplastia e alguns liftings (nos membros inferiores, superiores e mamas). A intervenção pode ser feita assim que o peso do paciente for considerado estável pelo médico responsável.

Como funciona a cirurgia plástica reparadora depois da gravidez?

Outra situação bastante frequente é a cirurgia plástica reparadora em mulheres que ficaram com o abdômen e os seios prejudicados após a gravidez (e não pretendem ter mais filhos). Geralmente, são pacientes que tiveram gestações múltiplas ou gemelares.

Para elas, cirurgias para o abdômen (como lipoaspiração, abdominoplastia ou lipominiabdominoplastia) e dermolipectomia (para melhorar a diástase) são suficientes para melhorar a flacidez, os depósitos de gordura e as estrias no abdômen. Além disso, pode ser preciso fazer uma mamoplastia (redutora ou de aumento) ou uma mastopexia (para corrigir a queda dos seios) — uma verdadeira mommy makeover.

Há outras indicações para a cirurgia plástica restauradora?

Além da correção de problemas ligados à perda excessiva de peso, a cirurgia plástica restauradora pode ser usada em casos de:

  • queimaduras profundas, que comprometem a elasticidade e a aparência da pele na área acometida, necessitando ser reconstruída;

  • tratamento de câncer de pele, quando a remoção de tumores cutâneos deixa marcas visíveis (principalmente, em lesões malignas);

  • tratamento de câncer de mama, quando ocorre a remoção total ou parcial das mamas, sendo necessária a colocação de próteses mamárias.

Como é o pré-operatório de uma cirurgia plástica reparadora?

O paciente que fará uma cirurgia plástica reparadora deve adotar um estilo de vida saudável. Isso porque é preciso manter o peso estável, evitando engordar novamente ou emagrecer exageradamente.

Já o manejo em relação aos medicamentos de uso contínuo é feito de maneira individualizada, conforme as necessidades apresentadas. Além disso, para prevenir problemas futuros, investiga-se se não existe nenhuma patologia desconhecida, assim como infecções de pele.

Por fim, cabe ao cirurgião responsável definir a estratégia de tratamento mais adequada para cada caso. Porém, para que o resultado da cirurgia plástica reparadora perdure ao longo dos anos, é preciso que o paciente melhore, também, seu dia a dia. Para isso, ainda não inventaram nada mais eficaz do que reeducação alimentar e prática regular de atividades físicas!

Achou o conteúdo interessante? Quer saber como seria um plano cirúrgico elaborado para suas necessidades? Então, agende sua consulta e faça uma avaliação individual!