As manchas no rosto podem ter diversas origens: exposição ao sol sem proteção adequada, vestígios das espinhas da adolescência e o próprio envelhecimento estão entre as causas mais comuns. Além de esteticamente incômodas, em alguns casos elas podem ser sintomas de doenças, como ocorre com o melanoma.

Por isso, a melhor forma de evitar o aparecimento ou, quando já presentes, prevenir o agravamento, é ir ao dermatologista regularmente. Neste artigo, mostramos como prevenir e combater as manchas no rosto. Aproveite a leitura!

Quais são os tipos mais comuns de manchas no rosto?

Segundo a Sociedade Brasileira de Dermatologia (SBD), as manchas podem ser apenas um incômodo estético ou indicarem um problema de saúde. São elas:

  • melasma: mancha acastanhada decorrente de fatores genéticos, hormonais (uso de anticoncepcional e gravidez) e da exposição ao sol;
  • melanose: mancha marrom provocada pelo sol, que aparece nas áreas do corpo mais expostas;
  • fito fotodermatose: um tipo de mancha causada pela queimadura do limão ao sol;
  • nevo: pinta preta, com formato e tamanho constantes;
  • nevo congênito: pinta preta que nasce com a criança ou aparece até os dois anos;
  • melanoma: lesão sólida, escura (com mais de uma tonalidade) e irregular, um dos tipos mais graves de câncer;
  • queratose seborreica: pinta escura, áspera e que costuma aparecer em áreas de dobras e no rosto;
  • leucodermia solar: sardas brancas que aparecem com o envelhecimento, geralmente, após os 40 anos;
  • pano branco (ou pitiríase versicolor): manchas brancas causadas por fungos (micose de pele);
  • vitiligo: manchas brancas decorrentes de uma doença genética autoimune;
  • púrpura senil: manchas arroxeadas que aparecem nos braços de idosos;
  • rosácea: manchas vermelhas que atacam a região T (centrofacial), devido à doença vascular inflamatória crônica;
  • nevo rubi: manchas vermelhas que se assemelham a um novelo de lã;
  • olheiras: manchas escuras localizadas abaixo ou ao redor dos olhos.

É possível prevenir o aparecimento de manchas no rosto?

Alguns tipos de manchas podem ser prevenidos. É o caso das decorrentes da exposição ao sol. Para isso, use protetor solar diariamente, mesmo quando estiver nublado ou quando não for sair de casa.

A radiação solar é a principal responsável pelo aparecimento de manchas, pintas e sardas, além de rugas e flacidez. Sem falar nos tumores de pele cancerígenos.

Na hora de escolher, opte por um filtro com proteção contra a radiação UVA e UVB e fator de proteção solar alto (FPS, no mínimo, 30). Prefira produtos livres de óleo, como versões em gel ou spray, para não aumentar a acne e piorar as manchas.

Além disso, deve-se adotar uma série de cuidados simples, mas diários:

  • lave o rosto duas vezes os dias, para eliminar poluentes e agente infectantes, usando um sabonete líquido adequado para seu tipo de pele;
  • em seguida, use um tônico facial, para remover os vestígios de sujeira, maquiagem e até de sabonete, e passe um bom hidratante, também adequado para o seu tipo de pele.

A hidratação interna também é muito importante. Portanto, beba bastante água. Por fim, alimente-se de forma saudável, dando preferência a frutas, verduras e legumes.

Como combater as manchas já existentes no rosto?

Além do uso de filtro solar associado a produtos tópicos, há diversos procedimentos para tratar as manchas no rosto. A indicação fica a cargo do dermatologista, variando conforme a necessidade de cada paciente.

Laser Nd:YAG Q-Switched

laser Nd:YAG Q-Switched remove o melasma e destrói o excesso de melanina que leva ao aparecimento desse tipo de mancha. Além disso, suaviza a textura da pele, deixando-a com uma aparência mais regular.

Luz intensa pulsada

luz intensa pulsada (LIP ou apenas luz pulsada)  clareia melasmas, manchas de acne, vermelhidões causadas por microvasinhos e rosáceas, além de cicatrizes hipertróficas e queloides. Ao mesmo tempo, melhora o viço e a textura da pele, proporcionando um efeito rejuvenescedor (fotorejuvenescimento).

Microagulhamento

microagulhamento (microperfurações feitas com rollers) alivia melasmas e olheiras, além do aspecto das cicatrizes. Além disso, estimula a produção de colágeno, melhorando a firmeza e o tônus facial.

De quanto em quanto tempo é preciso ir ao dermatologista?

A frequência ideal depende das características individuais. Para quem não tem manchas e toma os devidos cuidados relacionados à proteção solar, o check-up anual é suficiente. Já quem tem a pele muito clara, com muitas pintas ou se expõe, com frequência, ao sol, deve fazer um acompanhamento mais frequente, definido pelo especialista.

Assim, se você tem manchas no rosto, independentemente da idade, procure um dermatologista e siga o tratamento adequado. Esse cuidado reflete não apenas na melhora da autoestima, como também ajuda a prevenir o aparecimento ou agravamento de problemas de saúde.

Para conferir mais conteúdo continue acompanhando nosso blog e siga nossas redes sociais. Estamos no Facebook e Instagram!