A recuperação da mastopexia (procedimento cirúrgico indicado para tratar a flacidez dos seios, devolvendo-lhes a projeção e sustentação) costuma ser rápida e sem intercorrências. De maneira geral, no período pós-operatório, é comum sentir um leve desconforto, bem como uma alteração na sensibilidade das mamas.

Para entender como é o processo de recuperação da mastopexia, entrevistamos a Dra. Maria Júlia Norton, cirurgiã plástica na Clínica Lis. Continue a leitura e esclareça todas as suas dúvidas sobre o chamado lifting de mama!

Quais são os possíveis riscos associados à mastopexia?

Dra. Maria Júlia Norton: Basicamente, riscos de alergia a medicações, infecção, sangramento, necrose e trombose.

Como é a recuperação da mastopexia sem prótese e com prótese mamária?

Dra. Maria Júlia Norton: A recuperação é bem semelhante. Em ambas as cirurgias, deve-se evitar esforços com os braços e movimentações excessivas nas primeiras três semanas.

No caso da mastopexia com prótese, o tipo de técnica usado na colocação do implante de silicone (“por cima” ou “por baixo” do músculo) altera o período de recuperação?

Dra. Maria Júlia Norton: Não, o período de recuperação é o mesmo. A diferença é que, no caso da prótese “por baixo” do músculo, o pós-operatório costuma ser mais doloroso e é necessário usar uma faixa de contenção nas mamas.

 

Após a cirurgia, em quanto tempo a paciente submetida à mastopexia tem alta?

Dra. Maria Júlia Norton: A alta hospitalar é dada em 24 horas.

 

É preciso retirar os pontos?

Dra. Maria Júlia Norton: Sim, alguns pontos têm que ser retirados. Isso ocorre entre uma e três semanas após o procedimento, de acordo com o quadro de cada paciente.

 

O pós-operatório da mastopexia dói?

Dra. Maria Júlia Norton: Dor é um conceito subjetivo, pois depende da tolerância de cada paciente. Em geral, o pós-operatório é bem tranquilo. Quando a paciente tem pouca flacidez, o período de recuperação da mastopexia costuma ser um pouco mais doloroso, por conta da prótese.

 

Quais cuidados devem ser tomados em casa?

Dra. Maria Júlia Norton: Deve-se evitar movimentações e esforços excessivos com os braços. Como a paciente só pode levantá-los até a altura dos ombros, nos primeiros dias, é importante ter ajuda para lavar a cabeça e pentear os cabelos, assim como para vestir determinados tipos de roupas. Também é necessário contar com alguém para executar as tarefas domésticas (cozinhar, limpar a casa etc). Esses cuidados devem durar entre duas a três semanas.

 

É preciso manter curativos/bandagens após o procedimento? Por quanto tempo?

Dra. Maria Júlia Norton: Sim, a paciente é orientada a trocar seus curativos (aplicando álcool 70º, pomada e cobrindo com gaze) diariamente. Esse processo leva, em média, uma a duas semanas. Posteriormente, é preciso colocar bandagens com micropore, as quais costumam ser mantidas por um mês. Na soma, os cuidados com curativos e bandagens duram entre um e dois meses.

 

Por quanto tempo é preciso usar o sutiã cirúrgico?

Dra. Maria Júlia Norton: O uso do sutiã cirúrgico é indicado por dois meses. No primeiro mês, a paciente deve mantê-lo por 24 horas. No segundo mês, caso a recuperação pós-operatória esteja ocorrendo como previsto, pode-se colocar o sutiã comum em alguns momentos do dia.

 

Por que o descanso no pós-operatório é tão importante?

Dra. Maria Júlia Norton: O descanso facilita a cicatrização, evitando que ocorra o acúmulo de líquido no local da cirurgia ou mesmo um deslocamento da prótese. Além disso, ele é essencial para ter uma cicatriz de boa qualidade.

 

Em quanto tempo será a consulta de retorno e o que é feito na ocasião?

Dra. Maria Júlia Norton: A primeira consulta pós-operatória se dá entre sete e dez dias. Na ocasião, se possível, são retirados alguns pontos. Avalia-se, também, a presença ou não de hematomas, o aspecto da ferida operatória e como está a circulação sanguíneas nas aréolas. Além disso, orienta-se como serão feitos os curativos nas próximas semanas.

 

Existe alguma medida para aliviar o desconforto no pós-operatório?

Dra. Maria Júlia Norton: Sim. Na alta hospitalar, a paciente recebe a prescrição de alguns analgésicos. Essas medicações aumentam o conforto no pós-operatório. Nos primeiros dias, também é indicado fazer compressas geladas no polo superior das mamas e algumas sessões de drenagem linfática.

 

Existe alguma medida para acelerar a recuperação?

Dra. Maria Júlia Norton: Seguir os cuidados pós-operatórios, como fazer repouso, se alimentar bem (com uma dieta rica em vitamina C e proteínas, para otimizar a cicatrização), beber bastante líquidos e fazer drenagem linfática são os principais fatores para acelerar a recuperação.

 

Quais são os benefícios de realizar drenagem linfática na área operada?

Dra. Maria Júlia Norton: A drenagem linfática faz uma drenagem do líquido que sempre acumula na região operada. Dessa maneira, melhora o inchaço, as manchas roxas e edema.

 

Quanto tempo após a mastopexia a paciente pode voltar às atividades normais?

Dra. Maria Júlia Norton: Depende das atividades. Em geral, a paciente deve ficar de repouso em casa (sem fazer esforços com os braços, como dirigir) por duas a três semanas. A partir de então, ela é liberada para retomar suas atividades. Porém, as orientações são customizadas de acordo com o estilo de vida de cada paciente.

 

Em relação à prática de atividades físicas, quanto tempo é preciso esperar?

Dra. Maria Júlia Norton: A paciente é liberada para fazer caminhadas por volta de um mês. Para fazer exercícios de musculação nos membros inferiores (isolados, em aparelhos como cadeira flexora, cadeira extensora e cadeira abddutora/adutora), assim como bicicleta (na academia, sem apoio de braços) é preciso aguardar 45 dias. Após dois meses, a paciente costuma ser liberada para fazer exercícios mais vigorosos, retomar os exercícios nos membros superiores e praticar corrida.

 

Como se dá a escolha do tipo de incisão realizada na mastopexia?

Dra. Maria Júlia Norton: O tipo de cicatriz e seu posicionamento depende do grau de flacidez e quantidade de pele a ser retirada. Caso ela tenha pouco excesso de pele, a incisão pode ser apenas ao redor da aréola (periareolar). Caso tenha um excesso importante, pode ser preciso fazer uma incisão vertical (em T ou em L).

 

Como é o aspecto final da cicatriz resultante da mastopexia?

Dra. Maria Júlia Norton: O aspecto final depende da técnica utilizada, mas também da genética da paciente e da qualidade do repouso feito no pós-operatório.

 

É possível prever e prevenir o risco de cicatrização hipertrófica ou queloides?

Dra. Maria Júlia Norton: Sim, isso é feito por meio da análise do histórico de cicatrizações da paciente em cirurgias anteriores. Porém, no caso dela não ter nenhuma cicatriz, nem saber as histórias de cicatrizações na família, é difícil prever.

Caso exista uma tendência conhecida à cicatrização hipertrófica ou formação de queloides, realiza-se a betaterapia entre 24 e 48 horas após o procedimento. Esse tratamento reduz, consideravelmente, as chances de ter cicatrizes inestéticas.

 

Existe correção para a cicatrização inestética, caso haja necessidade?

Dra. Maria Júlia Norton: Sim, a correção é feita por meio da remoção da cicatriz antiga, fazendo uma cicatriz nova. Nesse caso, indica-se a betaterapia precocemente e, se necessário, realiza-se também a infiltração de corticoides, laser e outros tratamentos.

 

Quanto tempo demora até atingir o resultado definitivo após a mastopexia?

Dra. Maria Júlia Norton: O resultado da mastopexia é considerado final em seis meses. Porém, após o segundo ou o terceiro mês já é possível saber como vai ficar a aparência das mamas.

 

Como fica a sensibilidade dos seios de quem faz uma mastopexia?

Dra. Maria Júlia Norton: Isso varia de paciente para paciente. Em geral, quanto maior a manipulação do tecido mamário, maior a chance de perder a sensibilidade na área operada. A boa notícia é que a maioria das pacientes consegue recuperar a sensibilidade. Porém, sempre existe a chance de ter uma redução. Portanto, trata-se de um ponto bastante discutido com as pacientes na consulta.

 

Quanto tempo dura o resultado da mastopexia? É preciso refazer o procedimento no futuro?

Dra. Maria Júlia Norton: Não existe uma resposta única para a questão da durabilidade. O resultado depende do grau de flacidez existente antes da cirurgia, da qualidade da pele, do peso da prótese colocada, da oscilação de peso corpóreo, entre outros fatores. Mas caso seja necessário, é possível refazer o procedimento no futuro.

 

No caso de uma futura gravidez, o resultado da cirurgia se manterá ou poderá ser prejudicado?

Dra. Maria Júlia Norton: Dificilmente o resultado se manterá sem nenhuma alteração. Afinal, após a gravidez e a amamentação, mesmo mamas que nunca foram operadas passam por um processo de mudança. Assim, provavelmente haverá uma perda de resultado.

Esperamos que a entrevista tenha ajudado a esclarecer suas dúvidas sobre a recuperação da mastopexia. No entanto, caso deseje perguntar alguma outra coisa ou conversar a respeito do seu caso, sinta-se à vontade para entrar em contato!