Você sabia que o lifting de mamas pode não apenas levantar, mas também aumentar os seios? Para isso, indica-se a mastopexia com prótese por cima ou por baixo do músculo.

Quer saber tudo sobre o procedimento? Confira a entrevista com o Dr. Rodrigo Rocha, cirurgião plástico da Clínica Lis!

Como é realizada a mastopexia com prótese por cima do músculo e para quem a técnica é indicada?

Dr. Rodrigo Rocha: “Vamos lá! A mastopexia é uma cirurgia sempre realizada em ambiente hospitalar, com a presença do anestesista. O procedimento envolve a retirada do excesso de pele, glândula e gordura, com o objetivo de corrigir a flacidez mamária, reposicionando os tecidos e as aréolas.

Normalmente, é indicada para pacientes com flacidez e mamas pequenas ou pouco volumosas. O uso da prótese na mastopexia visa não apenas acrescentar volume, como melhorar o contorno e projeção da mama.

A prótese por cima do músculo (também chamada subglandular) é indicada para pacientes que apresentam tecido suficiente para a cobertura da loja (local onde a prótese ficará). Isso evita que a prótese fique marcada, conferindo um resultado mais natural ao procedimento.”

Como é realizada a mastopexia com prótese por baixo do músculo e para quem a técnica é indicada?

Dr. Rodrigo Rocha: “A mastopexia com prótese submuscular, ou seja, por baixo do músculo, apresenta técnica cirúrgica semelhante à mastopexia subglandular. O diferencial é o local onde a prótese é colocada.

Nessa técnica, a criação da loja, onde o implante ficará posicionado, ocorre por baixo do músculo peitoral maior. Isso permite que a prótese fique mais firme ao tórax, com menos risco de ‘desposicionamento’.

No plano submuscular, a prótese fica mais protegida, pois além do músculo, tem o tecido glandular como cobertura. Estudos comprovam um menor risco de contratura capsular com esta técnica.

A principal desvantagem da colocação da prótese por baixo do músculo é o pós-operatório mais doloroso. Além disso, existe um risco um pouco maior de ocorrerem pequenas assimetrias, devido às diferenças de cada músculo. Isso porque, sobre a prótese ficará o músculo, a glândula mamária e a camada de gordura, além da pele.

Essa técnica é indicada, principalmente, para pacientes que não apresentam cobertura suficiente para a prótese. É o caso de mulheres muito magras ou que apresentam pouco tecido glandular (hipomastia).”

Seja na mastopexia com prótese por cima ou por baixo do músculo, quanto tempo demora até o resultado final aparecer?

Dr. Rodrigo Rocha: “No pós-operatório imediato de ambas as técnicas, é possível observar o resultado das mamas reposicionadas. Ou seja, a correção da flacidez, com o volume e contorno necessário, já é perceptível.

Mas o posicionamento final das mamas, com a redução total do edema (inchaço), leva de seis meses a um ano. Porém, esse intervalo pode variar, pois o tempo de recuperação é algo individualizado para cada paciente.”

Como ficam as cicatrizes após cada uma das técnicas?

Dr. Rodrigo Rocha: “Em geral, a escolha da loja (por cima ou por baixo do músculo) em que a prótese será colocada não influencia na aparência das cicatrizes. As mastopexias podem gerar cicatrizes maiores ou menores, a depender da técnica utilizada, do volume e ptose da mama a ser tratada.

É importante destacar que o resultado final das cicatrizes tem relação direta com as características da pele e da cicatrização de cada paciente, bem como dos cuidados no pós-operatório. Portanto, depende do perfil de cada indivíduo.”

A mastopexia com prótese por baixo do músculo é mais “duradoura” que a por cima? Ou seja, as mamas ficarão firmes (no lugar) por mais tempo?

Dr. Rodrigo Rocha: “Quando bem executada e bem indicada, ambas as técnicas proporcionam resultados excelentes e duradouros. A técnica de mastopexia submuscular, especificamente, apresenta uma peculiaridade que confere um resultado mais duradouro a médio prazo. A prótese por baixo do músculo fica posicionada mais superiormente e, com isso, dificilmente acompanhará o tecido mamário no processo natural de flacidez.

No entanto, apesar de a técnica garantir um resultado mais duradouro de início, com o tempo, ela pode acarretar uma complicação conhecida como ‘dupla bolha’. Nesses casos, a mama evolui com o processo natural de flacidez, mas a prótese permanece posicionada sem acompanhar essa queda.

Portanto, a melhor técnica a ser escolhida para cada paciente depende, diretamente, do exame físico presencial. A avaliação das mamas e identificação das peculiaridades é um cuidado imprescindível.”

Para uma mulher jovem e com as mamas firmes, mas cuja família tem tendência à flacidez, é mais indicado realizar a mastopexia do que a mamoplastia?

Dr. Rodrigo Rocha: “Antes de mais nada, é importante esclarecer que toda cirurgia plástica da mama pode ser caracterizada como uma mamoplastia, ou seja, uma plástica das mamas. Essa pode ser de aumento ou redutora.

A mastopexia também é uma mamoplastia, mas a técnica é direcionada para pacientes que apresentam flacidez mamária, sem grandes volumes. A história familiar da paciente é de extrema importância durante a consulta, principalmente, para avaliação do risco de doenças da mama. Contudo, no momento da consulta, a técnica indicada será sempre direcionada ao exame físico atual, independente do histórico familiar.”

Existe algo que a paciente possa fazer para prevenir a nova queda das mamas?

Dr. Rodrigo Rocha: “A principal recomendação é realizar o pós-operatório adequado, respeitando todas as orientações de repouso e cuidados com a cicatriz, além do uso do sutiã cirúrgico. Fora isso, recomenda-se evitar grandes oscilações de peso, que proporcionem alterações de volume da mama, pois isso irá afetar o resultado.

Por fim, é importante esclarecer que todas as mamas, operadas ou não, apresentarão flacidez com o passar do tempo. Isso faz parte do envelhecimento. Antes da cirurgia, na consulta médica, sempre avaliamos as características inerentes da pele de cada paciente que podem influenciar, diretamente, no resultado e durabilidade do procedimento. Pacientes com histórico de grandes oscilações de peso e pele com estrias, por exemplo, têm uma provável tendência à flacidez precoce.”

 

Esperamos que a entrevista tenha sido bastante esclarecedora. Caso queira saber mais sobre as indicações da mastopexia com prótese por cima ou por baixo do músculoagende uma consulta com um de nossos especialistas em cirurgia plástica no Centro do Rio de Janeiro!