Oscilações ponderais ou perda de peso excessiva, assim como gestações, podem comprometer a firmeza do abdome. De fato, diversos fatores contribuem para a frouxidão na pele, depósitos de gordura e estrias na região abdominal. Felizmente, alguns desses problemas podem ser resolvidos por meio da cirurgia de abdominoplastia.

Neste artigo, explicamos como o procedimento é realizado, bem como quais são os cuidados prévios e posteriores. Confira!

O que é a cirurgia de abdominoplastia?

Abdominoplastia, também chamada de dermolipectomia, é a cirurgia plástica indicada para remover o excesso de pele e gordura da barriga, criando um perfil abdominal mais liso e tonificado. Se necessário, ela também permite corrigir a diástase e fortalecer a parede abdominal. Essa condição ocorre devido ao afastamento dos músculos da parede abdominal, o que confere um aspecto protruso ao abdome.

Mas atenção: o procedimento não deve ser considerado como tratamento de obesidade ou do sobrepeso. Na verdade, trata-se de um “complemento”, capaz de refinar os contornos que a dieta saudável e a prática regular de atividades físicas não conseguem alterar.

Quem pode (e quem não pode) fazer o procedimento?

Candidatos à cirurgia de abdominoplastia precisam ser saudáveis e próximo ao peso ideal. Também devem compreender as suas próprias motivações e ter expectativas realistas, entendendo as limitações do seu caso.

Isso porque, uma pessoa com maior quantidade de gordura e flacidez terá um resultado diferente de uma pessoa mais magra e com melhor tônus. Assim, cabe ao cirurgião mostrar os prós e contras para cada paciente, sanando suas dúvidas.

Outro ponto importante: gestações futuras ou alterações substanciais de peso após o procedimento podem reduzir sua eficácia e durabilidade. Por isso, tenha uma conversa franca com o especialista para descobrir se esse é, de fato, o melhor momento para realizar a cirurgia.

Além disso, existem algumas contraindicações. Pacientes com comorbidades graves, como doenças cardiopulmonares avançadas, diabetes não controlado e cirrose, não devem realizar o procedimento.

Como é o pré-operatório?

O pré-operatório da cirurgia de abdominoplastia exige alguns cuidados. Além de fazer a avaliação médica e os exames complementares é preciso parar de fumar, no mínimo, um mês antes da cirurgia.

Já os medicamentos de uso habitual têm que ser ajustados ou suspensos, conforme a indicação médica. Isso vale, inclusive, para os suplementos naturais, pois eles podem aumentar o sangramento.

Quais são os tipos de abdominoplastia?

Existem diferentes técnicas para realizar a cirurgia de abdominoplastia. Elas variam de acordo com as características do paciente e com a preferência do médico. Conheça-as a seguir.

Mini-abdominoplastia

mini-abdominoplastia trata a flacidez na pele abaixo do umbigo — presente, geralmente, em pacientes mais próximos do peso ideal, que podem ter adquirido essa condição após gestações. A cicatriz é um pouco maior do que a da cesárea. A técnica não deixa cicatriz no umbigo.

Abdominoplastia clássica

abdominoplastia clássica é ideal para pacientes que apresentam excesso de pele leve a moderado. Durante o procedimento, em casos de diástase realiza-se a plicatura (pontos) na musculatura do abdome.

Abdominoplastia circunferencial

abdominoplastia circunferencial (também chamada de abdominoplastia 360º) é indicada para pacientes que passaram por grandes perdas de peso (pós-cirurgia bariátrica, por exemplo). A cicatriz, como o nome sugere, é circunferencial e posicionada, na medida do possível, de forma a ser escondida pelas roupas íntimas e de banho.

Abdominoplastia em âncora

abdominoplastia em âncora é indicada para casos mais severos de perda de peso, como em alguns casos pós-bariátrica. Alguns especialistas indicam a incisão em “T” invertido em casos de:

  • grande excesso de pele acima do umbigo (lipodistrofia epigástrica);
  • presença de cicatriz mediana no abdome;
  • associação com grandes hérnias epigástricas.

Como é uma cirurgia de abdominoplastia?

A cirurgia de abdominoplastia é feita sob anestesia geral, associado a bloqueios locais para diminuir a dor no pós operatório. O tipo e o comprimento das incisões variam conforme a técnica escolhida. Para fechá-las, o cirurgião usa suturas delicadas e em alguns casos curativos especiais.

Vale destacar que a abdominoplastia pode ser associada a outras técnicas de contorno corporal, tais como a lipoaspiração e a lipoescultura. Nesses casos, trata-se de uma lipoabdominoplastia.

Será feito um novo um umbigo?

Uma dúvida comum em relação à cirurgia de abdominoplastia é o que será feito com o umbigo. Na verdade, depende. Na maioria dos casos, o cirurgião utiliza o umbigo do próprio paciente. Mas para deixar o visual harmônico, ele é liberado do abdome e, após a retirada do excesso de pele e gordura, fixo em uma nova posição.

Esse processo deixa uma cicatriz que, na maioria das vezes, fica bem escondida. Mas em alguns casos, como na presença de hérnia umbilical, pode ser preciso confeccionar um novo umbigo. Para isso, assim como para a execução da abdominoplastia, também existem diversas técnicas. A escolha, como sempre, dependerá da avaliação do cirurgião.

Como é o pós-operatório?

Durante o pós-operatório da abdominoplastia, deve-se tomar as medicações prescritas e fazer repouso relativo, assim como trocar os curativos, conforme a orientação médica. A colocação de um dreno temporário, para dar vazão aos excessos de sangue e fluidos, também pode ser recomendada.

Além disso, é preciso usar, por alguns meses, a cinta de compressão. O acessório ajuda não somente a minimizar o inchaço, mas a sustentar os novos contornos do abdome e otimiza a cicatrização. Por último, é preciso ir às consultas de acompanhamento pós-cirúrgico.

Quando custa a cirurgia de abdominoplastia?

preço da cirurgia costuma ser uma preocupação para muitos pacientes. Porém, não deve ser o principal critério para escolher o cirurgião. Isso porque, o trabalho de um profissional ético, experiente, com boa formação e título de especialista pela Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica (SBCP) tem um custo associado.

Além disso, o Conselho Federal de Medicina (CFM) proíbe a divulgação de valores. No entanto, permite explicar o que entra no custo. Confira:

  • tipo de técnica utilizada e respectivos insumos;
  • honorários do cirurgião, anestesista, instrumentador cirúrgico e outros membros da equipe;
  • gastos com o hospital ou com o centro cirúrgico.

Portanto, o valor da abdominoplastia, assim como das demais cirurgias plásticas, não é tabelado. O preço exato só deve ser fornecido após a primeira consulta, considerando as necessidade e características individuais.

Sendo assim, procure uma clínica que seja referência em cirurgias plásticas, planeje seu procedimento com calma, estude as possibilidades e se prepare. Essa pode ser a diferença entre o sucesso e o fracasso da sua cirurgia!

Como é o resultado do procedimento?

Graças às variadas técnicas, a cirurgia de abdominoplastia pode ser ajustada às necessidades de cada paciente, criando um abdome proporcional ao seu biotipo. Porém, nos dias que sucedem à cirurgia, o inchaço e o uso de curativos e cintas podem esconder as mudanças. A boa notícia é que o resultado — um perfil mais harmônico e tonificado — pode ser notado em uma ou duas semanas. Já a aparência final é vista, geralmente, 06 meses.

Caso deseje saber qual é o tipo de procedimento mais indicado para o seu caso, agende uma consulta. A equipe da Clínica Lis está à disposição!