Category: Cirurgia Plástica


Blefaroplastia: saiba tudo sobre a cirurgia de pálpebra

By Administrador,

A blefaroplastia é uma cirurgia de pálpebra realizada para ressecção do excesso de pele e bolsas gordura, tanto na pálpebra superior quanto na inferior. Ela proporciona aparência rejuvenescida na área ao redor dos olhos, entregando um olhar mais leve e descansado.

Além disso, também corrige bolsas sob os olhos, pele frouxa ou flacidez, que pode prejudicar o contorno natural da pálpebra superior e prejudicar a visão. Ela também pode servir para remover o excesso de pele e rugas finas na pálpebra inferior.

O que acontece durante a cirurgia

A blefaroplastia pode ser realizada sob anestesia geral ou sedação intravenosa. Durante a cirurgia, são feitas incisões planejadas para esconder as cicatrizes dentro das próprias estruturas naturais na região das pálpebras.

Para corrigir a queda da pálpebra superior, é feita uma incisão que permite o reposicionamento dos depósitos de gordura, a contração dos músculos e tecidos e a, finalmente, a remoção do excesso de pele.

Já na pálpebra inferior, a correção é feita com uma incisão embaixo da linha dos cílios, onde o excesso de pele é removido. Existe também a incisão transconjuntival. Ela fica oculta dentro da pálpebra inferior e é uma alternativa para corrigir imperfeições e redistribuir o excesso de gordura.

Após a blefaroplastia, o cirurgião pode optar por usar laser ou peeling químico para remover a coloração escura das pálpebras inferiores.

O paciente começa a perceber os resultados à medida que o inchaço e os hematomas, normais após a cirurgia, forem desaparecendo.

Cuidados na recuperação

Durante o período de recuperação, siga as recomendações dadas pelo médico para garantir uma boa cicatrização. É normal que o paciente apresente inchaço, irritação, olhos secos e hematomas. Tudo isso pode ser controlado através de medicamentos e compressas frias.

Apesar de os resultados já serem visíveis nas primeiras semanas após a cirurgia, pode demorar até um ano para que as linhas de incisão fiquem totalmente refinadas.

Para manter os bons resultados, adote o filtro solar como aliado para ajudar a manter os resultados conquistados.

Vantagens do Fio Silhouette e Ellansé

By Administrador,

O fio Silhouette é uma tecnologia inovadora usada para redefinir as linhas faciais sem precisar de grandes incisões. O produto é feito de um fio de sustentação composto por ácido polilático com cones totalmente absorvíveis e combate as rugas e a flacidez.

A maior vantagem do fio Silhouette é não precisar realizar cirurgias. Ele é um procedimento rápido e minimamente invasivo. Além do duplo efeito, lifting e estimulador de colágeno, é totalmente possível voltar rapidamente para a rotina, com um aspecto natural e, o mais importante, sem cicatrizes.

As áreas que podem ser tratadas são os contornos do rosto, linha da mandíbula, bochechas, área de face média, sobrancelhas e pescoço.

Contraindicações

O fio Silhouette não é recomendado para pacientes que possuem qualquer alergia ou sensibilidade ao produto. Além disso, doenças de pele, doenças autoimunes, sepse ou infecção impossibilitam o uso do fio. Menores de 18 anos e gestantes ou lactantes não estão aptas para fazer o tratamento.

Ellansé

Assim como o fio silhouette, o Ellansé também é um estimulador de colágeno. Ele é destinado para a correção  de longa duração de rugas e restauração do contorno facial. Além de ser um bioestimulador de colágeno, é utilizado para preenchimento facial e tratamento de flacidez.

A aplicação do Ellansé é feita no próprio consultório, leva entre de 30 e 60 minutos e é praticamente indolor, já que é possível a utilização de anestésico nas regiões onde a agulha será inserida.

Quais são as principais indicações?

As principais indicações da aplicação de Ellansé são: tratamento de rugas e linhas faciais, reposição de volume facial, perda de volume nas têmporas, melhoria da textura da pele, reposição do volume nas maçãs do rosto, tratamento de sulco nasogeniano (bigode chinês), tratamento de sulco labiomentual (ruga de marionete), aumento do queixo e aumento da linha da mandíbula.

Mamoplastia Redutora

By Administrador,

A cirurgia para redução de mama, chamada de mamoplastia redutora, é realizada para reposicionamento dos tecidos da mama, redução e ascensão da aréola e, principalmente, redução do excesso de tecido glandular. Isso serve para tornar a mama mais harmônica e leve, melhorando a autoestima e a postura corporal da paciente, além de facilitar a prática de atividades físicas.

A mamoplastia redutora é uma boa opção para mulheres que se incomodam com o tamanho dos seios. Além disso, mamas muito grandes podem limitar as atividades físicas, ser a causa de dor nas costas, ombros e pescoço, irritar a pele abaixo do sulco da mama, deixar os seios flácidos e pendentes, entre outros fatores.

Entre os riscos que estão envolvidos na cirurgia plástica nas mamas estão: má cicatrização, alteração de sensibilidade no mamilo ou na própria mama, sangramento, contorno da mama irregular, alterações permanentes da pigmentação da pele, danos em nervos, vasos sanguíneos, músculos e pulmões, assimetria, rigidez excessiva, possibilidade de não poder amamentar, entre outros.

É normal que, após a cirurgia de redução de mama, a paciente sinta falta de ar, dores no peito ou batimentos cardíacos anormais. Se algum desses sintomas aparecer, é recomendável que um médico seja procurado imediatamente, pois a paciente poderá precisar de internação e tratamento adicional.

Como é a recuperação

A recuperação após a plástica das mamas inclui uma bandagem elástica ou um sutiã reforçado, que vão ajudar a minimizar o inchaço e sustentar os seios. Além disso, um dreno pode ser utilizado para drenar qualquer excesso de sangue ou fluídos que podem ficar acumulados.

Quanto aos resultados, o novo tamanho dos seios poderá melhorar a autoconfiança da mulher e trazer benefícios além da estética. Com a mama mais proporcional após a mamoplastia redutora, a dor e as limitações físicas não existirão mais.

Lembre-se sempre de consultar seu médico e tirar todas as dúvidas relacionadas ao assunto antes de se submeter a qualquer tipo de procedimento.

Lifting de face

By Administrador,

O lifting de face é uma cirurgia realizada em pacientes mais velhos ou com excesso de pele na região do pescoço (popularmente conhecida com papada). Neste procedimento, o excesso de pele na face e pescoço é retirado, além de ser realizado o reposicionamento dos tecidos da face, melhorando seu contorno e suavizando os sinais do envelhecimento.

Um ótimo aliado desta cirurgia de lifting de face, é a reposição de volumes no rosto, que são perdidos com o passar dos anos. Atualmente, essa reposição de volume é feita usando um enxerto de gordura que é retirado do próprio paciente.

Apesar de suavizar os sinais do envelhecimento, como já foi dito acima, o lifting de face  não muda a aparência da pessoa e também não para o processo natural de envelhecimento.

Preparação para o lifting

A preparação para o lifting de face requer alguns cuidados especiais. O paciente deverá fazer exames de laboratório, passar por uma avaliação médica, tomar alguns medicamentos, parar de fumar e evitar tomar anti inflamatórios e remédios naturais que possam aumentar o sangramento. Também é essencial que o paciente leve um acompanhante para servir de auxílio, pelo menos no primeiro dia após a realização da cirurgia.

Como toda cirurgia, o lifting de face também apresenta alguns riscos como cicatrizes desfavoráveis, sangramento, acúmulo de líquido, má cicatrização, dormência, despigmentação da pele, inchaço prolongado, dor, entre outros. Antes de se submeter a esta operação, faça perguntas e tire todas as suas dúvidas com o cirurgião plástico.

Cuidados no pós-operatório

É importante se atentar aos cuidados pós-operatórios, como os medicamentos que deverão ser tomados para ajudar na cicatrização e reduzir o risco de infecção, os cuidados com o local da cirurgia e acompanhamento com o cirurgião que realizou o lifting de face.

Pode demorar alguns meses até que todo o inchaço desapareça e os resultados comecem a ficar visíveis. Lembre sempre de proteger o local da cirurgia do sol e leve um estilo de vida saudável para ajudar a prolongar os resultados obtidos com a cirurgia.

Cirurgias reparadoras pós-bariátrica

By Administrador,

Uma das consequências da perda de peso rápida é o excesso de pele. Portanto, é muito comum que pacientes que tenham feito a cirurgia de redução de estômago passem por esse tipo de problema. É aí que entram as cirurgias reparadoras pós-bariátrica.

Essa cirurgia deve ser feita de 3 a 6 meses após a estabilização do peso, que por sua vez pode levar entre 12 e 18 meses, e quando a equipe médica responsável pela bariátrica liberar o paciente. Entre os procedimentos mais realizados estão a abdominoplastia (abdômen) e mamoplastia (mamas), tanto masculina quanto feminina.

O emagrecimento rápido e excessivo, faz com que a pele perca proteínas importantes para sua elasticidade. Portanto, é possível alcançar bons resultados com as cirurgias reparadoras pós-bariátrica, mas o paciente deve ser alertado de que a qualidade da pele não vai ficar com um aspecto perfeito e que é normal ficar com cicatrizes.

Além disso, os pacientes podem sofrer com anemia por deficiência de absorção de ferro, baixa de proteínas por dificuldade de comer carnes e a baixa de vitamina B12. Estudos apontam que, quanto maior for o peso do paciente na hora de fazer a cirurgia reparadora pós-bariátrica, maior será o índice de complicações.

Após ter o peso estabilizado e ter sido liberado pela equipe médica, o paciente deve passar por uma preparação pré-operatória, onde devem ser analisadas possíveis patologias, infecções de pele, alterações não relatadas, exames complementares e relação de medicamentos de uso contínuo. Além disso, manter uma boa alimentação e praticar exercícios físicos é imprescindível.

Já no pós-operatório da cirurgia reparadora pós-bariátrica, o paciente deve manter as feridas limpas, ingerir bastante líquido e ficar de repouso. Atividades físicas devem ser feitas apenas após a liberação médica.

Lembre-se sempre de consultar seu médico e tirar todas as dúvidas relacionadas ao assunto antes de se submeter a qualquer tipo de procedimento.     

Cirurgia Abdominoplastia

By Administrador,

O que é a cirurgia de abdominoplastia?

A abdominoplastia é um dos procedimentos mais realizados em cirurgia plástica. Em geral, fatores como gestações múltiplas e a genética contribuem para o desenvolvimento de frouxidão na pele, depósitos de gordura e estrias  na região abdominal. 

A abdominoplastia é um procedimento para remover o excesso de pele e gordura do abdome, ou dermolipectomia, associada a correção da diastase abdominal quando presente. Com as gestações e/ou perdas de peso, os músculos da parede abdominal tendem a se afastar e, por isso, dar um aspecto protruso do abdome. Nessas situações, com a distensão da pele, ocorre flacidez importante e presença de estrias.

 

Quem pode fazer abdominoplastia?

A abdominoplastia não deve ser considerada como tratamento de obesidade, ou substituto de dietas e exercícios físicos. Candidatos a abdominoplastia devem ser saudáveis e relativamente em forma. Gestações futuras e alterações substanciais do peso após abdominoplastia, podem reduzir a eficácia e longevidade do tratamento.

As candidatas à cirurgia devem compreender as suas próprias motivações e ter expectativas realistas, entendendo as limitações do seu caso. Obviamente, uma mulher com maior quantidade de gordura, uma pele mais estriada, com maior flacidez, terá um resultado diferente de outra mulher mais magra e com melhor tônus da pele. Cabe ao cirurgião os prós e contras deste procedimento, sanando todas as dúvidas existentes.

 

 

Como é realizada a abdominoplastia?

Há várias técnicas para realizar a abdominoplastia que variam de acordo com a paciente e com a preferência de cada cirurgião. No geral, é realizada uma incisão no abdome inferior, costura-se os músculos afastados, resseca-se o excesso de pele  e gordura (dermolipectomia),  e reposiciona-se o novo umbigo. A abdominoplastia pode ser combinada com outras técnicas de contorno corporal, como a lipoaspiração e lipoescultura, tratando-se nesse caso de uma lipoabdominoplastia. 

 

Será feito um novo um umbigo?

Uma dúvida comum entre as pacientes em relação à cirurgia de abdominoplastia, é o que será feito com o umbigo. O meu umbigo é retirado? É feito um novo umbigo? A cicatriz ficará aparente?

 

Na cirurgia é utilizado o próprio umbigo da paciente, que será liberado do abdome e após retirada do excesso de pele, será fixado na nova posição, resultando em uma cicatriz. Esta cicatriz geralmente fica bem escondida e não aparente. Em alguns casos, como na presença de hérnia umbilical, às vezes faz-se necessário a confecção de um novo umbigo.

 

Um umbigo bem confeccionado durante a abdominoplastia é a etapa mais importante para se obter um resultado harmonioso! Existem diversas técnicas para confecção do umbigo, e a escolha dependerá da experiência e preferência de cada cirurgião.

 

Quais os tipos de abdominplastia?

 

Os tipos são:

– Mini-abdominoplastia: trata a flacidez abaixo do umbigo e não é indicada para que tem flacidez acima do umbigo. A cicatriz é um pouco maior do que da cesárea e os músculos podem ser costurados. Não há cicatriz no umbigo.

– Abdominoplastia  Clássica (incisão horizontal abdominal  baixa)

Trata o excesso de pele horizontal. Esta técnica é ideal para pacientes que apresentam excesso de pele leve a moderado. Durante o procedimento, é realizada a plicatura (pontos ) na musculatura do abdome.

– Abdominoplastia Circunferencial (360)

Indicada para pacientes apoós grandes perdas de peso ( bariátrica) com excesso de pele moderado a severo e /ou que apresentam flacidez associada em culote e glúteos ( lifting corporal inferior). A cicatriz, como o nome sugere, é circunferencial, e posicionada, na medida do possível,  de forma a ser escondida pelas roupas íntimas/biquíni.

– Abdominoplastia em âncora

Indicadas para os casos mais severos de perda de peso (bariátrica), ficando a critério do cirurgião e da preferência do paciente. Algumas cirurgiões indicam nos casos de grande excesso de pele acima do umbigo (lipodistrofia epigástrica), presença de cicatriz mediana no abdome e associação com grandes hérnias epigástricas. Apresenta como grande desvantagem a cicatriz em “T” invertido no abdome.

 

 

Abdominoplastia quanto custa?

É muito comum as pacientes apresentarem dúvidas sobre abdominplastia preço,  honorários, hospital etc.

 

O preço da cirurgia plástica é uma das principais preocupações das pacientes, mas não deve ser o principal critério para tomar uma decisão!

O Conselho Federal de Medicina não permite a divulgação de preço de cirurgia plástica em sites de internet. O orçamento de cada cirurgia é individualizado para cada paciente e leva em consideração diversos fatores como, hospital, equipe médica e técnica utilizada.

            

O custo da internação nos hospitais com boa estrutura e CTI, são tabelados, e variam de acordo com a localização, estrutura de hotelaria, tipo de cirurgia escolhida e itens inclusos no pacote ( fios, tempo de cirurgia, medicações anestésicas). Durante a consulta, sempre dou pelo menos duas opções de hospitais para que o paciente possa escolher de acordo com as suas preferências.

O preço da equipe cirúrgica é sempre a maior dúvida dos pacientes. Como calcular este valor sem avaliação presencial do paciente, através uma pergunta no Facebook ou por email, ou ainda por uma foto que a paciente deseja enviar? Não é possível fornecer este valor sem antes ter uma conversa detalhada e exame físico em uma consulta médica.

O trabalho de um cirurgião com boa formação, residência médica em serviço credenciado, ético, e com título de especialista pela Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica, tem um custo associado. A equipe deste cirurgião é composta mais um cirurgião plástico auxiliar, um médico anestesista e uma instrumentador cirúrgico.

Planeje seu procedimento com calma, estude as possibilidades e se prepare. Isso pode ser a diferença entre o sucesso e o fracasso da sua cirurgia!

MOMMY MAKEOVER

By Administrador,

O termo em inglês denominado “MOMMY MAKEOVER”, TRANSFORMAÇÃO DA MAMÃE, começou a ganhar popularidade nos Estados Unidos para denominar a associação de alguns procedimentos da cirurgia estética que tratam o contorno corporal das mulheres após a gestação. A experiência da maternidade é única e vem acompanhada de mudanças na vida da mamãe, tanto do ponto de vista físico, quanto psicológico. O corpo da mulher passa por inúmeras transformações, e a por isso é frequente a procura por cirurgia plástica pós parto. A dedicação intensa da mulher nos cuidados com o bebê, principalmente nos primeiros meses de vida, às vezes não permite que medidas como atividade física, dieta e alguns tratamentos estéticos sejam possíveis, gerando baixa da auto-estima.

 

Durante a gestação, as mamas crescem respondendo ao estímulo hormonal que a prepara para a função do aleitamento materno, com isso há uma significativa distensão da pele e dos ligamentos que sustentam a glândula mamária. Após o período de amamentação, as mamas sofrem uma involução resultando em mamas menores, geralmente flácidas e sem projeção. Do mesmo modo, o Abdome sofre significativas alterações pela intensa distensão da parede abdominal, devido ao volume do útero. A pele e a musculatura são distendidas, levando ao aparecimento de estrias, flacidez, diastase e prejudicando o contorno corporal.

 

As cirurgias de maior procura são a mamoplastia (cirurgia de mama), a abdominoplastia  e a lipoaspiração.

 

PROCEDIMENTOS QUE TRATAM DO ABDOME:

– LIPOASPIRAÇÃO DO ABDOME

– ABDOMINOPLASTIA CLÁSSICA

– LIPOMINIABDOME

 

PROCEDIMENTOS QUE TRATAM DAS MAMAS:

– MAMOPLASTIA DE AUMENTO (IMPLANTES MAMÁRIOS)

– LEVANTAMENTO DAS MAMAS (MASTOPEXIA – COM OU SEM IMPLANTES)

– MAMOPLASTIA REDUTORA 

 

O tempo ideal para uma cirurgia plástica após as gestações é de, no mínimo, 6 meses após o parto. No caso de qualquer cirurgia nas mamas, o recomendável é pelo menos 2 a 3 meses depois de ter interrompido a amamentação. É fundamental que a cirurgia seja planejada após a decisão de não ter mais filhos; na dúvida, melhor esperar ou optar por um procedimento que não terá o seu resultado comprometido com uma futura gravidez

suas vidas, incentivando uma vaidade saudável e uma vida mais leve.

 

Idealmente, estes procedimentos devem ser realizados quando não se considera mais nenhuma gravidez futuramente, não por haver alguma incompatibilidade com outra gestação, mas sim pelo fato de não se perderem os resultados obtidos.

O período de recuperação depende da extensão dos procedimentos realizados, em geral varia entre uma e três semanas. O grau de satisfação das pacientes que se submetem a este tipo de intervenção é muito elevado e são cirurgias que têm tido uma procura crescente.

Qual cirurgia será necessária depende do que a mamãe deseja melhorar. Para ser possível a realização de cirurgias combinadas é imprescindível a opinião do profissional cirurgião plástico. É importante aqui esclarecer que cirurgias muito longas aumentam a chance de complicação, por isso, o profissional deve ser bem criterioso. E muito importante também é a mamãe que procura cirurgia consultar com um cirurgião plástico membro da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica. Veja se seu médico se preenche este critério no site da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica.

Idealmente, estes procedimentos devem ser realizados quando não se considera mais nenhuma gravidez futuramente, não por haver alguma incompatibilidade com outra gestação, mas sim pelo facto de não se perderem os resultados obtidos.

O período de recuperação depende da extensão dos procedimentos realizados, em geral varia entre uma e três semanas. O grau de satisfação das doentes que se submetem a este tipo de intervenção é muito elevado e são cirurgias que têm tido uma procura crescente.

Prótese de Mama Subfascial

By Administrador,

A mamoplastia de aumento no plano subfascial tem conquistado cada vez mais espaço, sendo mais uma opção além da prótese subglandular ( atrás da glândula mamária) e da submuscular(atrás do músculo peitoral maior).  Para facilitar a explicação, é importante saber que o musculo peitoral maior é revestido por uma fina camada chamada fascial, semelhante a uma membrana. Por cima dessa membrana, está o tecido glandular da mama, responsável pela produção de leite e pela amamentação. No plano subfascial, a prótese de silicone é posicionada por cima do músculo e abaixo da fáscia peitoral, fazendo com que o plano subfascial seja “um meio termo” entre o plano subglandular e submuscular. 

Dessa forma, esta técnica cirúrgica associa as vantagens das outras duas técnicas de implante de silicone nas mamas.

Uma destas vantagens seria uma maior cobertura da prótese de mama, maior do que na mamoplastia de aumento atrás da glândula,  possibilitando um contorno suave e natural , diminuindo a chance de irregularidades e bordos do implante proeminentes, principalmente nas pacientes magras, reduzindo as chances de rippling. Outra vantagem, seria um pós
operatório menos doloroso e mais tranquilo, quando comparado com a técnica submuscular. A dor mais leve e o período de recuperação menor são semelhantes ao da técnica subglandular. A membrana fascial serve como sustentação sem interferir no contorno, deixando a aparência da prótese de silicone natural, mas evidente. Uma outra vantagem que ainda está em discussão,  seria um resultado mais duradouro, pois a queda das mamas com o tempo demoraria mais para acontecer, devido à sustentação que a fáscia oferece.


Quando a prótese é colocada subfascial, não há chance de deformidade do implante durante contração muscular , que pode ocorrer na mamoplastia submuscular. 
Na consulta de avaliação pré-operatória, durante o exame físico , alguns fatores serão analisados para decidir qual será o plano de colocação mais indicado para você.

Diastase Abdominal: O que é e como tratar?

By Administrador,

O que é?

 

A diastase abdominal é um problema bastante comum entre as mulheres, principalmente após o parto ou obesidade, ocorrendo a deformação do abdome pelo  afastamento dos músculos reto abdominais, sendo causa de flacidez abdominal e dor lombar no período após o parto.

A musculatura abdominal fica enfraquecida e esticada devido ao crescimento da barriga na gravidez ou pela rápida perda de peso, podendo também acontecer fora da gravidez, em paciente ex-obesos, no abdome pós bariátrica, por exemplo.

Entre os fatores causadores da diastase, temos: múltiplas gestações, bebê muito grande, desnutrição, sedentarismo, hormônios que levam ao relaxamento da musculatura e ganho de peso excessivo  na gestação. Após a diástase, por mais que a pessoa realize exercício físicos e dieta, o abdomen pode não retornar o que era antes, devido a separação dos músculos abdominais.

 

O músculo reto do abdome é formado por duas bandas verticais que se encontrar unidas na linha média, na região central abdominal,  atuando como se fosse uma cinta interna. A gestação provoca o alongamento dos músculos abdominais, podendo causar a separação das duas bandas musculares deixando a barriga mais protuberante, sendo percebida após o parto. Ocorre a deformação estética do abdômen com o surgimento de uma protuberância vertical no meio da musculatura quando há esforço físico (sentar, levantar, tossir, etc.). Além disso, pode provocar, dores nas costas, nádegas e pernas.

 

Como prevenir?

 

É possível prevenir a diástase abdominal com a prática regular de atividade física durante a gravidez. É importante que as futuras mamães mantenham uma postura correta durante a gestação e optem por exercícios que fortaleçam a parede abdominal, como o Pilates. Além disso, deve-se evitar o ganho de peso excessivo, mantendo uma dieta equilibrada.

Mulheres que já tiveram diástase, possuem chances maiores de desenvolver o problema em gestações futuras. Desta forma, a recomendação é esperar dois anos após a ocorrência da diástase para poder engravidar novamente.

 

Como fazer o diagnóstico e como tratar?

 

O diagnóstico da diástase é realizado pelo cirurgião plastico através do exame físico do paciente ou com a realização de exames como ultrassonografia de parede abdominal, que irá mensurar o quanto de abertura a musculatura possui.

 

O tratamento vai depender da complexidade do problema. Em casos leves, o tratamento consiste em uma combinação de exercícios de fortalecimento abdominal ( musculação, pilates). Em casos mais avançados, tratamento cirúrgico com cirurgia plástica com a amarração da musculatura abdominal, realizada através da cirurgia abdominoplastia.

 

A cirurgia plástica na barriga é indicada para os casos crônicos da diástase abdominal, em que é feita a reaproximação dos músculos por meio de sua amarração.

No caso da gestantes, deve-se aguardar de 6 meses a 1 ano do parto. No casos das pacientes pós bariátrica, deve-se aguardar 1 ano da cirurgia com pelo menos 2 meses de estabilização do peso. Dependendo da avaliação de cada caso, pode-se associar lipoaspiração e a dermolipectomia abdominal,  para eliminação do excesso de pele, da flacidez e das estrias da região abdominal. Com a associação destas cirurgias plasticas, é realizada a remodelação de todo o abdômen, redefinindo cintura e deixando a silhueta mais firme.

 

Quanto custa uma abdominoplastia?

O preço de qualquer cirurgia plástica é individualizado para cada paciente e vai depender da avaliação prévia em uma consulta.

 

Procure um cirurgião plástico membro da sociedade brasileira de cirurgia plástica.

http://www2.cirurgiaplastica.org.br

Ácido Hialurônico e MD codes

By Administrador,

Envelhecimento da face

O processo de envelhecimento é natural e inevitável, mas com alguns tipos de tratamentos é possível melhorar o aspecto, a textura e o tônus da pele.

O ácido hialurônico é uma substância presente naturalmente nosso organismo, preenchendo os espaços entre as células e  sendo responsável pelo volume, pela sustentação, pela hidratação e elasticidade da pele. Com o passar dos anos, o ácido hialurônico diminui, causando a redução destas características da pele, contribuindo para o surgimento das rugas.

 

Existem hoje vários tipos de Ácido Hialurônico sintético, cada um com sua particularidade (coesividade, cross-link, etc) trazendo assim grandes vantagens para os pacientes. 

 

Preenchimento Facial e MD codes

O preenchimento facial com ácido hialurônico é utilizado há muitos anos para suavizar rugas mais profundas e redefinir o contorno facial perdido com o processo de envelhecimento. As técnicas de aplicação evoluem cada vez mais para entregar resultados altamente diferenciados. Como cada rosto tem um formato distinto, flacidez em pontos diferentes, perda de volume de gordura em áreas específicas e menor ou maior estrutura óssea, o tratamento deve ser individualizado para cada paciente, como propõe a técnica de MD codes.

A grande inovação do MD Codes™ é direcionar o médico a avaliar a face do paciente como um todo. Com frequência, a origem de uma insatisfação relatada pelo paciente pode estar localizada em uma área diferente daquela que o desagrada. Por exemplo, se o objetivo é suavizar o “bigode chinês”, a aplicação do produto pode ser feita na região das bochechas, para maior sustentação dessa região. 

 

A técnica consite em sistematizar a aplicação do produto em uma série de pontos criados para direcionar o preenchimento, divididos pelas áreas anatômicas da face. Cada ponto é representado por letras e números, orientando o médico em relação ao tipo de aplicação: uso de cânulas ou agulhas, tipo de ácido hialurônico, camada da pele etc. 

 Diferente dos métodos comuns e tradicionais, o MD Codes não busca apenas os resultados pontuais, mas sim a solução mais efetiva, com o intuito de beneficiar e satisfazer o paciente, trazendo resultados mais harmônicos e naturais.

 

Resultados

Os efeitos do preenchimento facial com ácido hialurônico aparecem logo após o tratamento, mas se tornam mais visíveis uma semana após a sessão, momento em que o inchaço do rosto é amenizado.

A duração do tratamento depende de uma série de fatores, podendo chegar a 18 meses.

Em pacientes que possuem produção aumentada de radicais livres, como fumantes e atletas de alto rendimento, essa duração é mais curta. 

Contraindicações

Portadores de doenças autoimunes em atividade, como o Lúpus Eritematoso Sistêmico, grávidas, mulheres em processo de amamentação, pessoas imunossuprimidas, pessoas com alergia a qualquer componente da formulação e com inflamação ou infecção no local a ser tratado não devem submeter-se a estes procedimentos.

 

Para saber mais sobre a aplicação do MD Codes™, o ideal é procurar um médico de confiança e habilitado, para que ele possa fazer uma avaliação facial e traçar um plano de tratamento exclusivo e que atenda suas expectativas de resultados.